Buscar

Debate político: os desafios da transmissão na TV e nas redes sociais

Atualizado: Fev 7


Crédito: Sergio Barzaghi | Gazeta Press

Organizar um debate político não é simplesmente ligar a câmera e deixar o circo pegar fogo.


Existe um planejamento imenso, com diversas reuniões para que cada passo seja acordado previamente. Toda mecânica precisa ser esclarecida, aceita e assinada pelas partes envolvidas: parceiros de tecnologia, partidos e emissora. Por fim, este documento é protocolado no Tribunal Regional Eleitoral para que a lei seja cumprida.


O resumo acima faz parte de um grande aprendizado que tive em 2016, como parte do time da Fundação Cásper Líbero/TV Gazeta, com equipes de jornalismo e tecnologia trabalhando juntas. Naquele ano, tivemos a oportunidade de trazer o protagonismo das conversas e perguntas em real time, além de transmitir tudo pelo Periscope e ampliar o alcance da TV Gazeta com parceiros estratégicos como Estadão e Twitter.


E toda essa equipe, muito corajosa, comprou a ideia desde o início e fez acontecer mesmo com todas as limitações e desafios ao longo do caminho. Lembrar deste projeto me traz um orgulho imenso!

O processo

Depois de inúmeros ensaios e testes, chega o momento – e o ao vivo não é para amadores. A conexão entre o palco, apresentadores e o switcher (sala de controle) precisa ser cirúrgica. Roteiro na mão, começa o evento, tudo tem que ser perfeito!


Crédito: Sergio Barzaghi | Gazeta Press

A partir dos temas pré-acordados, a equipe de monitoramento por sua vez selecionava as perguntas para enviar aos times responsáveis pela exibição. É um cuidado imenso para que tudo seja neutro e não haja nenhuma vantagem para qualquer lado. É a exigência de um profissionalismo que só os melhores podiam executar – e sim, com muito orgulho e nenhuma modéstia afirmo: nós estávamos com os melhores.


Os resultados

Além da transmissão, os telespectadores enviaram perguntas em formato de texto e vídeo, exibidas no palco em um painel do Moments para serem respondidas ao longo do evento.

Foram contabilizados, entre 15h30 do dia 18 até meia-noite do dia 20, 26 mil tweets sobre o debate e 120 mil pessoas conectadas na transmissão pelo Periscope.

Se você acha que é pouco, lembre-se dos contextos de audiência dos envolvidos, do resultado orgânico e do marco temporal em si.


E, por fim, além da repercussão na imprensa, não dá pra esquecer da força da democratização da informação e do impacto no target mais jovem, consumidor de conteúdo na plataforma.

***

Agradeço imensamente aos parceiros de jornalismo do Estadão, do Twitter e da TV Gazeta, diretoria e time tecnologia, comunicação e assessoria de imprensa da emissora e dos próprios partidos, que desde a época já entendiam a força do Digital para suas campanhas e para a Comunicação com seus stakeholders.

Inscreva-se na newsletter mensal

© 2021 por Lidi Faria